Trânsito Revelador

0
COMPARTILHAMENTOS
39
VISUALIZAÇÕES

Eu ando bastante pelas ruas de Guaíba. Difícil encontrar uma via na Aldeia que eu não tenha percorrido. E, nesta circulação urbana e rural, observo o estado de conservação e o movimento nelas. Dito isso, posso garantir que nos últimos cinco anos o tráfego de veículos deu um salto.

Nos horários de pico, principalmente nos finais de tarde, se formam congestionamentos em alguns pontos, como no acesso à Cidade pela BR-116; na Avenida Nestor de Moura Jardim; na Estrada Santa Maria, no trecho de acesso ao Bom Fim; e na Rua Vinte de Setembro, entre outros. Congestionamento em Guaíba, quem diria…

A cidade cresceu e temos que crescer junto com ela. Estes dias, comentei com um amigo sobre a necessidade de se fechar as aberturas no canteiro central da Avenida Nestor de Moura Jardim, e ele retrucou, dizendo que isso seria um absurdo, porque para fazer o retorno somente seguindo até uma rotatória. Ingênuo.

Lembro da revolta contra a rotatória próxima ao Supermercado Nacional quando foi implantada. Absurda era a palavra mais meiga para descrever a dita cuja. Eu defendia aquela roda fincada no chão com as veias do pescoço saltadas, até que um dia fiz uma pergunta aqui na coluna e fez-se o silêncio. Perguntei: e se tirar a rotatória de lá, qual a alternativa? Faz vinte anos que aguardo a resposta.

Os gargalos no trânsito se agravam pela esculhambação do sistema viário, com buracos e pavimentação remendada por todos os lados; sinalização precária; obras mal-acabadas, quando terminam… Aqui na Aldeia, é comum começarem obras nas ruas que custam a terminar, e quando concluem o acabamento é o quadro da dor. Depois do primeiro sofrimento, vem o segundo, a Corsan chega abrindo valas que custa a fechar, e quando fecha é um palavrão. E assim seguimos chacoalhando e resmungando, batendo cabeça no banco de trás; agora, trancados na tardinha.

O supermercado da Terra de Gigantes acabou revelando que o sistema viário da Aldeia está entrando em colapso.

 

Kombi Cheia de Pedras

Na semana passada, registrei aqui na Coluna o que penso sobre o sistema lesma da Assistência Social em relação ao apoio às entidades que realizam importantes serviços à população. Repercutiu.

Nessa semana, ao fazer uma matéria sobre repasses trancados de emendas impositivas ao Projari, confirmei que a kombi sobe a Rua Otaviano cheia de pedras e com o freio de mão puxado. Os secretários Ernani Chacrinha e Norberto Guimarães prometeram tirar as pedras da kombi e soltar o freio de mão. Anotei.

 

Alex Medeiros desistiu

Alegando falta de estrutura fora de Guaíba para encarar uma eleição a deputado, o vereador Alex Medeiros (PP) anunciou que desistiu de concorrer a deputado estadual.

 

Causa Animal em Crise

A postura polêmica do Ale Alves serve para a Câmara Municipal, mas não para o Executivo. Uma coisa é gritar na Tribuna e atirar para todos os lados, outra bem diferente é ter a responsabilidade de prestar importantes serviços à população.

Nesta arrancada, à frente da recém-criada Secretaria do Bem-estar Animal, o Secretário Ale se meteu de pato a ganso e se deu mal. Constrangido feito torcedor de time gaúcho, o Prefeito Maranata teve que apagar o incêndio do Ale. Deixou recado: se não mudar de atitude será trocado. A batata está assando.

Os voluntários da causa animal realizam um trabalho muito importante na Cidade, que deveria ser feito pelo poder público. São ações de pessoas que amam os bichos. Então, cria-se uma Secretaria e, quando se pensava que os ativistas da causa receberiam apoio, acontece o contrário. Ver matéria nesta edição.

É de cair os butiás dos bolsos!

 

Moção de Apoio à Fepam

A Câmara Municipal de Guaíba enviou Moção de Apoio à Fepam, pelo arquivamento do projeto Mina Guaíba, que iria esculhambar com o ambiente na Região. O vereador João Caldas fez um discurso bacana em defesa da Moção, aprovada por unanimidade.

 

Faltaram Cestas Básicas

Há alguns dias, no Coelhão, a Secretaria de Assistência Social de Guaíba promoveu a distribuição de cestas básicas, mas não tinha para todos. Fiasco!

Distribuir cestas básicas para quem precisa é muito importante, muito mesmo. Mas trata-se de um trabalho que exige profissionalismo, para dizer o mínimo.

 

Ônibus e Escola

Eu já trouxe o problema aqui na Coluna e ele ressurgiu na Câmara. No ano passado, fui procurado por alunos do Colégio Cônego Scherer, que me pediram para abordar sobre o desencontro entre o horário do ônibus com o da saída da escola no turno da noite. Acredito que o problema tenha sido resolvido, pois não recebi mais queixas nesse sentido.

Essa semana, o Vereador Crizel revelou que alunos do EJA (noturno) das escolas Teotônio Vilella e Amadeu Bolognesi estão enfrentando o problema da falta de ônibus no final das aulas. É preciso resolver isso. O que não pode é estudante correr risco por falta de transporte.

 

Leandro André

leandro.andre.gazeta@gmail.com

Publicado em 15/4/22

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *