A Informação da Tia Alaíde

0
COMPARTILHAMENTOS
88
VISUALIZAÇÕES

A Tia Alaíde me ligou tarde da noite. Quando isso acontece é porque ela tem informações relevantes que deseja me passar. O “boa noite” emendou com um anúncio direto, em tom dramático: – “Grupo importante de empresários e políticos de Guaíba está articulando o lançamento de uma chapa, no ano que vem, com Henrique Tavares a prefeito e Selito Carboni de vice”.

Eu estava assistindo uma série e a informação exigiu uma pausa. “Tem certeza?”. Esta é uma pergunta que raramente faço, pois quando minha Tia liga tarde da noite é porque ela garante o que está dizendo. É como um selo dourado de qualidade.

Limpei a garganta com um gole de vinho tinto. – “Me conta, Tia”. Queria detalhes.

– “Eles estão se reunindo secretamente, porque não querem que isso vaze. No início, o Henrique relutou, mas parece que está cedendo e até gostando da ideia.

Minha Tia, que tudo sabe da política da Aldeia, demonstrou convicção. Ela me contou como escutou conversas confidenciais, mas não posso revelar no momento para não atrapalhar suas investidas. Sei que ela escuta conversas usando um copo na parede, é craque nessa técnica. Ela chega na parede certa por meio de fontes influentes.

Resumo da bufa: não se sabe se esta articulação de bastidores irá se confirmar, mas eu não sou louco de duvidar de uma informação da Tia Alaíde repassada tarde da noite. É possível que venham desmentidos, devido ao fato de ter vazado a informação, mas se onde há fumaça há fogo, onde tem Tia Alaíde tem fato.

 

Recado da Coordenadora

A notícia veiculada na Gazeta da semana passada sobre a possível transferência da EJA, da Escola Nestor de Moura Jardim para o Colégio Cônego Scherer, causou frisson.

O galo ainda cantava na madrugada de sexta-feira, durante a distribuição do jornal, quando os comentários disparavam em grupos de WhatsApp, considerando a notícia publicada na página 8 da Gazeta.

A coordenadora da 12ª CRE, Claudete Oliveira, vem sendo apontada como a grande responsável pela provável mudança tão indigesta para a comunidade escolar da Nestor.

O dia mal tinha clareado e a coordenadora me telefonou para ressaltar que estava seguindo determinação do Governo, de ajustes, conforme estava na matéria. Então solicitei que enviasse uma nota de esclarecimento, prometendo publicar aqui na Coluna, o que faço a seguir. O texto está na íntegra, entre aspas.

“Parabenizo pela matéria, no entanto, gostaria de esclarecer que a decisão da transferência da EJA da Escola Nestor para o Colégio Estadual Cônego Scherer não é uma “decisão da CRE”, apenas aplicamos a orientação recebida da Secretaria da Educação. Haja vista que estamos inseridos dentro de um sistema e seguimos a política de governo, que neste momento é de otimização de recursos.”

 

Avaliação do Governo

Prometi continuar minha avaliação do Governo Maranata e Cláudia Jardim nesta edição, mas não consegui me aprofundar em alguns pontos. Como não quero cometer injustiça nem avaliar de forma positiva sem o devido fundamento, decidi seguir analisando dados e ações. Em breve, seguirei com esta pauta.

 

Aniversário da Acigua e Reflexão

Na noite de quinta-feira, 27 de julho, teve festa na sede do Rotary para comemorar os 91 anos da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Guaíba, a nossa Acigua.

Não consegui participar da comemoração por motivo profissional, mas deixo aqui registrado o meu abraço a todos que trabalham pela valorização da Acigua e em favor do empreendedorismo na Cidade.

Um abraço especial ao Érico Cunha, colaborador dedicado que está sempre na linha de frente da entidade.

Importante deixar um recado para reflexão. Entendo que ajustes precisam ser feitos para que a Acigua consiga se desenvolver de forma mais efetiva. Isso passa necessariamente pela união dos empresários e executivos da Aldeia. Tem um ponto que está dificultando esta união tão necessária. Chegou o momento de soltar este freio. Sugiro a promoção de encontros abrangentes, pois acredito no diálogo e na cooperação.

 

Segue o Nojo

Na política nacional, segue o nojo das narrativas polarizadas. Tudo tem duas versões antagônicas. Para exemplificar, já recebi textos e mensagens de vídeo elogiando e condenando a Reforma Tributária. O que menos importa para os palpiteiros de plantão é a Reforma Tributária em si. O nojo neste contexto vem do fato de pessoas com alta escolaridade serem tão passionais e passarem pano nas barbaridades. O que importa é lacrar.

 

Cinema em Casa

Dois filmes bacanas no quadro Cinema em Casa da Gazeta nesta edição. Flores do Oriente tem cenas chocantes, mas a mensagem é forte. Já Um Homem Entre Gigantes expõe um tema polêmico por mexer com paixão popular. Ambos baseados em fatos reais. Entendo que filmes bons precisam ser assistidos mais de uma vez.

 

Leandro André

leandro.andre.gazeta@gmail.com

Publicado em 28/7/23

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *